LUA - Os melhores revendedores do mundo estão aqui
Foto: Quero vender! Conheça as melhores dicas para o sucesso

Quero vender! Conheça as melhores dicas para o sucesso

Vender produtos pode ser uma forma de complementar a sua renda ou até mesmo de conquistar a independência financeira. Porém, não é improvável que o pensamento “quero vender, mas não sei por onde começar ou como conseguir melhores resultados” passe pela sua cabeça.

Esse é um questionamento totalmente natural, mas que não deve impedir a sua atuação rumo ao sucesso e aos ganhos financeiros. Portanto, o melhor caminho é buscar informações sobre o que e como fazer.

Neste post, você encontrará dicas cruciais para que vender se torne um processo mais fácil. Ficou curioso? Então continue lendo:

Começando: escolha as suas opções

Para entrar no mundo das vendas, você precisará definir, em 1º lugar, que tipo de venda pretende fazer. Isso depende, principalmente, da origem do produto e determina quais são os procedimentos que devem ser colocados em prática.

Entre os tipos de vendas comuns, estão as seguintes opções:

Venda de produtos próprios

Dependendo das suas habilidades e dos seus interesses, pode ser que consiga fabricar produtos próprios. É a situação de quem faz artesanato ou itens personalizados, por exemplo. Nesse caso, você venderá a própria produção, atrelando a sua marca a isso.

Trata-se de uma opção bem conveniente quando possui talentos específicos na área. Porém, fique de olho em questões como:

  • custo de produção;
  • capacidade de atender a pedidos;
  • e convencimento do cliente de que o seu produto é de qualidade.

Venda de itens manufaturados

Outra possibilidade consiste em vender itens manufaturados. Basicamente, eles são elementos que já existem e que passam por uma adaptação para que possa vendê-los.

Imagine alguém que cria um cosmético ou um produto para a pele. Em parceria com uma fábrica do setor, faz o produto e, depois, o vende para o cliente final ou para profissionais do ramo.

Naturalmente, trata-se de uma opção profissional e que exige, no mínimo, um contrato com uma empresa que possua a tecnologia necessária. Com isso, não é uma escolha acessível para todo mundo.

Revenda de itens

A outra possibilidade é a revenda de itens, que, no geral, é a mais conveniente de todas. O processo funciona da seguinte maneira: você seleciona uma ou várias marcas que serão oferecidas para os seus clientes.

Há tanto a possibilidade de comprar os itens e revendê-los a pronta entrega ou, então, fazer a revenda mediante a encomenda.

Trata-se de uma opção muito vantajosa por vários motivos, e o 1º deles é a praticidade. Não é preciso se preocupar com elementos de produção, custos dessa etapa ou desenvolvimento de produtos.

Além disso, é uma escolha diversificada e escalável, pois é possível atender a um número maior de solicitações sem que seja necessário gastar além com a estrutura.

Para completar, as pessoas já conhecem e confiam nas marcas, o que facilita o convencimento quanto à compra.

Escolhendo produtos e marcas

Depois de escolher qual é o tipo de venda que pretende realizar, é muito provável que a revenda seja a sua escolhida. Para ter sucesso, é fundamental selecionar corretamente quais serão as ofertas para os seus clientes.

Para tanto, é preciso escolher os produtos e as marcas certas para a sua atuação. Para acertar na decisão, veja quais pontos devem ser considerados:

Pense nas necessidades do público

Comece considerando quem são as pessoas que pretende atingir e quais são as suas necessidades. É importante desenhar o perfil do seu público, porque assim fica mais fácil entender quais são as suas exigências.

Se você busca atingir mulheres que adoram cuidar da casa, poderá investir em produtos de cama, banho e cozinha.

Já se quiser atender a profissionais de maquiagem, cosméticos e itens de beleza devem ser as opções.

Pretende conquistar os pais de crianças pequenas? Então os produtos infantis ganham prioridade.

A partir disso, podem-se definir quais marcas e produtos têm a ver com as expectativas de cada mercado.

Avalie a qualidade dos itens

Ao mesmo tempo, considere a qualidade dos itens. Isso porque não adianta que eles sejam de uma marca reconhecida se não oferecerem uma boa experiência para quem compra.

O ideal, portanto, é sempre verificar se cada elemento cumpre o que promete. Roupas precisam ser de tecidos resistentes, enquanto acessórios devem ter bom acabamento e as ferramentas têm que ser duráveis.

Inclusive, vale a pena testar alguns dos itens, especialmente de marcas que ainda não conhece muito bem. Dessa forma, é viável escolher o que, de fato, é positivo.

Busque um bom mix

Como pessoas diferentes possuem necessidades distintas, limitar as opções de venda fará com que perca oportunidades. Ou seja, dispor de uma quantidade muito pequena de itens torna tudo muito específico, e muita gente não vai se sentir contemplada e interessada em comprar.

Para lidar com essa questão, o ideal é criar um bom mix de produtos. A intenção é possuir uma grande variedade de elementos dentro da mesma proposta. Ao fazer isso, as oportunidades de venda vão se multiplicar.

Como a revenda não exige preocupação com o estoque, você pode criar um mix um pouco maior. Porém, não deixe de considerar os interesses do seu público, já que oferecer opções distintas pode jogar contra o seu sucesso.

Considere a margem de lucro

Além de pensar “quero vender”, você também quer lucrar. Afinal, essa é a remuneração por toda a ação de selecionar produtos e oferecê-los aos clientes. O que garante esse elemento é, justamente, a precificação dos itens.

Ao definir os preços corretamente, você consegue cobrir os custos envolvidos, ao mesmo tempo em que mantém a lucratividade.

Na hora da revenda, isso é ainda mais importante. Utilizando o preço-base, considere qual é a margem de lucro desejada para definir valores.

Apenas tenha cuidado para que o lucro não seja muito pequeno ou para que ele não torne o produto muito caro e pouco competitivo.

Afinal, como e onde

Da mesma forma que há diversos tipos de vendas, é possível conquistar clientes em vários locais. Assim, quando você diz “quero vender!”, não faltam lugares para isso.

Uma das grandes vantagens da revenda é que você poderá selecionar mais de um local para a venda, o que permite a máxima expansão dos seus resultados.

Para entender melhor quais são as possibilidades, siga com a leitura:

Venda direta

Como o próprio nome indica, a venda direta se relaciona ao contato direto entre quem compra e quem vende. Nesse caso, ela normalmente é feita de maneira presencial.

Um bom exemplo é quando, antigamente, os vendedores iam de porta em porta, tentando vender enciclopédias, produtos de cozinha e vários outros itens. Essa ainda é uma possibilidade, mas exige um estoque, os contatos certos e muito tempo disponível.

Uma forma de adaptar essa possibilidade é ao fazer pequenos eventos de demonstração para clientes em potencial, além de ir onde o comprador está. Nesse caso, você pode tanto dispor de itens a pronta entrega quanto realizar a encomenda conforme o desejo do consumidor.

Marketplaces

Os marketplaces compõem um conceito relativamente novo, em que há a criação de uma espécie de “shopping” virtual. Nesse caso, várias lojas menores se juntam sob o nome de uma marca varejista conhecida do público.

Com isso, os clientes fazem as pesquisas de produtos que desejam comprar e adquirem em lojas diferentes. A Amazon é um exemplo de empresa que usa o marketplace. Além de vender os seus próprios itens, tem ofertas de lojas individuais.

Colocar os seus produtos para serem vendidos nessa modalidade é uma forma prática de conseguir um grande fluxo de pessoas e a geração intensa de oportunidades. Porém, novamente, atente-se para a questão de estoque, já que a parte logística é o maior desafio nesse sentido.

Loja virtual

Por falar nisso, não se pode ignorar a possibilidade de abrir a sua própria loja virtual. Com o e-commerce em plena expansão, esse espaço é ideal para alcançar pessoas de diferentes localidades com muita praticidade.

No caso da revenda, basta selecionar e apresentar os itens vendidos e fazer a divulgação do endereço para os seus contatos e para as demais oportunidades. Os interessados farão os seus pedidos e, no momento adequado, os produtos poderão ser enviados normalmente.

Inclusive, essa é uma escolha que não depende de estoque, necessariamente. O consumidor pode fazer o pedido na forma de encomenda e receber os itens dentro de alguns dias.

Redes sociais

Parte da vida de boa parte dos brasileiros, as redes sociais são canais modernos e altamente funcionais para conseguir vender. Muitas delas, como o Facebook, já possuem recursos para que as vendas sejam feitas diretamente pela plataforma.

Além disso, as redes podem ser espaços de divulgação dos produtos, contato com os compradores e levantamento de novas oportunidades. Afinal, um cliente poderá fazer uma encomenda por meio de um contato por mensagem, por exemplo.

Fazendo a sua divulgação

Como a propaganda é a alma do negócio, é fundamental se preocupar em divulgar os seus produtos. Com esforços bem estruturados nesse sentido, mais pessoas ficarão sabendo do que você tem à venda e haverá uma geração de mais oportunidades.

Ao mesmo tempo, trata-se de algo que precisa ser bem planejado. Assim, você consegue atingir e atrair o público adequado e que está, de fato, propenso à compra. As principais dicas nesse sentido incluem:

Use os canais e estratégias certas

Saber onde o seu público está, como ele se comunica e quais são as suas preferências é uma tarefa indispensável para fazer uma divulgação de qualidade. Considerar tudo isso é importante porque, desse jeito, é possível selecionar qual é o melhor caminho.

Estar nas redes sociais é praticamente obrigatório e apenas uma das possibilidades. Com essa presença, os seus produtos aparecerão para os clientes onde eles estão. Porém, algumas redes são mais importantes do que outras — e isso é o seu público que dita.

Com isso, é importante saber se é melhor estar no Facebook ou no Instagram, por exemplo, dependendo de quais são as escolhas mais utilizadas pelo mercado.

Também é fundamental definir táticas como a linguagem a ser utilizada, o uso de links e publicações patrocinadas e assim por diante.

Faça promoções especiais

Inclusive, uma das estratégias que promete trazer ótimos resultados quanto à divulgação é a realização de promoções especiais. Ao oferecer descontos e valores promocionais, as pessoas tendem a ficar interessadas em fazer a aquisição.

Porém, é muito importante tomar cuidado com esse recurso. Ele deve ser usado com cautela, em 1º lugar, para evitar que a percepção de valor dos seus itens seja prejudicada. Além disso, se as promoções acontecem o tempo todo, os consumidores não têm o senso de urgência.

Por isso, deixe essas ações reservadas para datas especiais e períodos comemorativos do ano.

Aproxime o relacionamento com o cliente

Atualmente, quem compra deseja mais do que apenas adquirir itens. Enquanto você pensa “quero vender!”, a maior parte do público pensa “quero me relacionar com essa marca!”. As pessoas, hoje, buscam uma ligação verdadeira com os negócios, então isso tem que ser considerado na hora de fazer a divulgação.

Nas redes sociais, invista no engajamento, na participação e na interação. Busque, ainda, canais próximos de comunicação, como ao permitir que os compradores façam os seus pedidos por WhatsApp.

Trabalhe para envolvê-los e mantê-los sempre por perto, já que isso tende a melhorar os resultados quanto às vendas.

Invista no poder da indicação

Poucas ferramentas são tão efetivas e benéficas para a divulgação quanto um cliente satisfeito. Quando a pessoa é tão bem atendida a ponto de falar sobre isso e indicar a loja para os amigos, então existe uma grande oportunidade de consolidar um número maior de vendas e gerar efeitos melhores.

Além de tudo, 92% das pessoas confiam nas recomendações de outras antes de comprar. Sendo assim, invista no poder que a indicação possui.

Peça para quem já comprou a falar da sua loja para outras pessoas, ofereça condições especiais para quem trouxer novos compradores e estimule que todos deixem suas opiniões sobre a experiência de compra.

Eventualmente, esse será um grande auxílio para que as suas vendas cresçam de maneira constante, juntamente da sua boa reputação no mercado.

Organização também é importante

Ser um revendedor é muito vantajoso em vários sentidos. Você não tem que se preocupar com a parte de produção e, muitas vezes, não precisa dar conta de questões como o estoque. Além de tudo, pode conquistar ganhos diferenciados por meio da margem de lucro.

Porém, não ache que escolher bons produtos e divulgá-los é o suficiente. Se quiser ter sucesso, é preciso manter a organização em diversos aspectos. Além de ampliar a segurança, é algo que facilitará a sua vida.

Os pontos que merecem maior atenção são:

Monte um planejamento

Ainda que não precise gastar para produzir ou até para adquirir os produtos, a sua atuação no ramo das vendas exige o máximo de planejamento que puder oferecer. Isso trará maior segurança e facilidade na hora de tomar decisões, além de ajudar a conduzir pelo caminho certo.

É necessário planejar, por exemplo, quais serão os esforços com divulgação e quais são os gastos envolvidos nesse processo. Isso evita a perda de capital de giro ou a concentração no que não funciona tão bem.

Também planeje campanhas ao longo do ano — como de Dia das Mães, Dia dos Pais, Natal e assim por diante —, possíveis investimentos e ações necessárias para que tudo continue funcionando.

Com tudo isso pronto, é só seguir o “mapa” com as orientações e favorecer o aumento das vendas.

Crie uma rotina de atuação

Você pode, sim, vender produtos no seu tempo livre como um complemento da renda. Como é viável fazer tudo on-line, é muito fácil conciliar o emprego “tradicional” com essa possibilidade.

Ao mesmo tempo, é indispensável ter uma rotina. Se não quiser ou não puder, não é preciso passar várias horas por dia cuidando das tarefas, mas um senso de organização cai bem.

Estipule horários para cuidar dos processos — como analisar os resultados de vendas ou responder dúvidas —, assim como dias da semana para receber e entregar mercadorias. Dessa maneira, nada fica esquecido e a atuação se torna muito satisfatória.

Faça um cadastro de clientes

Para ter sucesso, uma das intenções deve ser não apenas conseguir novos consumidores, mas manter os atuais e fazer com que eles comprem cada vez mais. Porém, se você nem sequer sabe quem são essas pessoas, atingir esse objetivo é impossível.

Para contornar a situação, o ideal é incluir, na sua organização, um cadastro de clientes. Faça o registro de quem comprou o quê e as datas das operações. Isso permitirá que você saiba quais são os padrões de consumo e onde os seus esforços devem estar focados.

Além disso, fica mais fácil oferecer um atendimento personalizado, novas opções de crédito e condições facilitadas.

Cuide das finanças

Em geral, revender é muito mais barato do que vender produtos próprios ou manufaturados. Porém, isso não significa que possa operar sem capital de giro ou que não precise fazer o controle das finanças.

Ainda que essa atuação seja complementar à renda, é necessário ficar de olho nas finanças e fazer um bom controle. Realize um fluxo de caixa diário, registrando as entradas e as saídas financeiras.

Verifique, também, como anda o seu lucro e o seu preço em relação aos concorrentes. Avalie os custos — de tempo, estrutura e até de deslocamento — e cheque se tudo está de acordo com os seus objetivos.

Para não se complicar, prefira separar as contas pessoais das profissionais, de modo a facilitar o controle de valores.

Fechando vendas

Ao seguir todos esses passos, você já estará com boa parte do caminho pavimentado, rumo a conquistar de vez o desejo que diz “quero vender”. Porém, ainda precisa da ação do cliente em fechar a compra.

Mesmo em casos em que não há a venda direta e física, você pode (e deve) agir para facilitar esse processo com muita persuasão. Para saber como fazer o fechamento de vendas da melhor maneira, confira as dicas a seguir:

Ouça o que o consumidor tem a dizer

Nunca deixe de prestar atenção no que quem compra tem a dizer. Não adianta oferecer o melhor produto e o preço em conta se nada disso serve para que ele solucione um problema ou supra uma necessidade.

Por isso, procure conversar com os clientes próximos e entenda do que eles precisam. Se alguém ficar insatisfeito, busque entender o motivo para que não se repita.

Isso demonstra cuidado e atenção e favorece a persuasão de quem ainda está em dúvida se deve comprar ou não.

Capriche no atendimento personalizado

Da mesma forma que quem compra deseja relacionamento, essas pessoas também buscam personalização. Quanto mais direcionada for a sua atuação, melhores tendem a ser os efeitos.

Para fazer isso, você pode usar, por exemplo, os registros de compras. Verifique quais são as necessidades e os padrões e faça ofertas personalizadas para cada um. Se alguém sempre compra um determinado item todos os meses, aproveite para oferecê-lo quando ele entrar em promoção ou ao final de 30 dias.

Isso garante maior efetividade nas ações, além de aproximar o contato e ajudar a conquistar a fidelização.

Gere confiança e segurança

O fator emocional também tem grande importância em uma decisão de compra. É por isso que oferecer alguns descontos é tão efetivo, assim como criar um relacionamento.

A questão é que as pessoas tendem a comprar mais de quem elas confiam. Se puderem saber que os produtos vendidos são agradáveis, de qualidade e que atendem às suas expectativas, provavelmente fecharão a venda.

Por isso, é fundamental fortalecer o senso de confiança e de segurança. Esteja sempre disposto a responder dúvidas e questionamentos e vá além para que a pessoa sinta que está fazendo um bom negócio.

Manter-se prestativo para o caso de problemas e fazer um acompanhamento completo de cada oportunidade traz uma sensação de estabilidade que contribui para que a venda seja concluída.

Vença as principais objeções

Mesmo com tudo isso, ainda é possível que surjam algumas objeções. A pessoa pode sentir que o produto não é para ela ou que não é indispensável, assim como achá-lo caro ou ter dúvidas sobre como ele é usado.

Ao não contornar esses obstáculos, conquistar o “sim” do cliente é muito mais difícil. Por isso, atue para vencer as objeções, e o melhor nesse sentido é perguntar do que a pessoa precisa para fechar negócio.

Dependendo do caso, é possível dar descontos, oferecer uma nova forma de pagamento ou demonstrar o produto, de modo que haja a percepção de valor.

Depois de seguir essas dicas, você conseguirá atender ao desejo que diz “quero vender!” com grande facilidade e consistência.

Para não perder nenhuma outra dica importante, siga nossas páginas no Facebook e no Instagram, e esteja sempre por dentro das atualizações!