LUA - Os melhores revendedores do mundo estão aqui
Foto: 4 Modelos de negócio que você precisa conhecer

4 Modelos de negócio que você precisa conhecer

São tantos modelos de negócio diferentes que as vezes podemos ficar um pouco confusos. Pensando nisso, fizemos um resumo dos que estão mais em alta atualmente.

Marketing multinível

Conhecido também como marketing de rede, foi criado para atrair novos distribuidores para as empresas. A característica principal é que o revendedor obtém lucros por meio da venda de produtos que ele e sua rede de vendedores comercializam.

Pode ser uma ótima oportunidade para ganhar mais autonomia, mas é necessário bastante esforço para treinar bem uma equipe e, muitas vezes, um considerável investimento inicial para comprar os produtos da marca. Ao mesmo tempo, é preciso vender os produtos aos clientes, manter a relação com os revendedores e atrair novos interessados para sua rede.

A vantagem é que quanto maior e melhor a equipe, maior é o lucro. A desvantagem é que o resultado não é imediato, por não ser tão fácil começar a criar uma rede, tanto para pessoas experientes, quanto para as que nunca trabalharam na área.

Marketing afiliados

É quando um afiliado divulga online produtos e serviços de um anunciante, em troca de comissão que pode ser:

Custo por clique (CQC): toda vez que alguém clicar no anúncio, que pode ter vários formatos.

Custo por ação (CPA): o afiliado só é remunerado se, ao clicar na publicidade, o usuário realizar alguma ação como fazer uma compra, por exemplo.

Custo por Mil Impressões (CPM): o afiliado recebe um valor fixo a cada mil impressões no anúncio, ou seja, a cada mil vezes que ele aparecer para o consumidor, e independe do clique.

Custo por Venda (CPV): recebe apenas se o link compartilhado gerar vendas, permitindo que a comissão seja processada automaticamente após a compra do produto, por exemplo.

Os canais de divulgação mais usados são as redes sociais, sites, blogs, e-mail marketing e tudo mais que a criatividade permitir no meio online.

Venda direta

É a tradicional venda feita diretamente para o cliente final, sem precisar que a pessoa tenha uma loja física ou intermediários. Pode ser uma renda extra ou sua ocupação principal (dependendo do quanto é investido, principalmente tempo).

Há diversas formas de se trabalhar com venda direta hoje:

Porta a porta: a venda acontece por meio de catálogos ou produtos à pronta entrega, sendo preciso se deslocar até os clientes.

Eventos com conhecidos e amigos: promover eventos como bazares e chás, são ótimas oportunidades para vender os produtos, já que é possível mostrar e demonstrar o uso para várias pessoas ao mesmo tempo.

Parcerias com estabelecimentos comerciais: o revendedor pode expor seus produtos dentro de um salão de beleza ou uma loja, para aproveitar o grande fluxo de pessoas que passam por ali, oferecendo uma parte do lucro para o proprietário do estabelecimento.

Virtual: as redes sociais permitiram que esse modelo de venda direta aumente cada vez mais, sendo uma das principais plataformas de venda e contato direto com o cliente. Diversas negociações ocorrem pelo WhatsApp.

Venda online

A cada dia, aumentam mais e mais a quantidade de e-shoppers no Brasil. A venda online se popularizou e quem não considerar esse ramo, pode ficar para trás. Entenda um pouco mais no post sobre esse setor, que não para de crescer.

As vantagens para o cliente? Maior conveniência na hora da compra, facilidade, segurança, troca e devolução garantidas, etc.

Essas são as formas mais usadas para se vender produtos e serviços online:

Lojas virtuais: canal mais conhecido, tem uma estrutura própria. Com isso, o administrador do site possui mais responsabilidades como a usabilidade do site, formas de pagamento, segurança dos dados, entre outros.

Marketplaces: como se fosse um shopping no ambiente virtual. São sites que reúnem diversas marcas que podem ser de produtos semelhantes ou não. Está sendo uma opção muito escolhida pelos varejistas e os administradores do site ganham um percentual na venda dos produtos.

A vantagem é aproveitar a credibilidade do site e fluxo de usuários para dar mais visibilidade aos produtos, alcançando mais pessoas para aumentar as vendas. O lado negativo é que a logística de é responsabilidade de quem vende.

Representantes virtuais: nesse caso, são como franquias no ambiente virtual. A empresa não precisa se preocupar em vender, apenas em fabricar e manter uma boa relação com os distribuidores.

E onde se encaixa a Lua em tudo isso? Simplesmente, uma junção de tudo o que há de melhor desses modelos de negócio. Na Lua, você não precisa investir nada, já tem uma loja pronta com milhares de produtos e não precisa se preocupar com logística ou burocracia. Você empreende e soma mais lucro à sua renda. Baixe o app já!